E S T R A N H O

NOVO PROJETO DE SEQUÊNCIAS CÊNICAS

ESTREIA  AGOSTO 2019.

ESTRANHO é um projeto INÉDITO que integra arte cênica contemporânea e tecnologias audiovisuais, com temática focada nas diferenças e na dificuldade das identidades afetadas pelas fragilidades mentais e discriminação. Em cena, o personagem Gan passa 30 anos vestido com o kimono da mãe, visitando lugares, alternando entre horror e alegria, entre o canto dos frutos e um fruto estranho.

ESTRANHO é um espetáculo multimídia. Ator, dançarina, músicos, vídeo projeções e forte paisagem sonora. Uma ponte entre as expressões da arte cênica contemporânea e uma instalação visual-sonora.

O conto FRUTO ESTRANHO de Eveline Costa é o ponto de partida e uma inspiração para a criação da performance ESTRANHO. Uma montagem poética que revela a história de um personagem que busca relações entre sua existência e o espaço que ocupa – seu corpo, uma ilha de lama escura. Gan rejeita sua identidade e foge de sua fragilidade mental para proteger-se dos preconceitos alheios. Cria um mundo virtual, vivido e experimentado na mais alta sensibilidade e potência criativa. Sua fina estrutura mental o leva a romper com o convívio social e a enterrar sonhos de afetos que o distraíam.

ESTRANHO com seu texto pós-moderno carrega um humor sutil do delicado mundo de Gan, que apresenta surtos serenos de alucinação. Diz-se filho de um executivo, dono de uma das maiores editoras de livros de Tokyo. Aos 26 anos, foi marcado pelo suicídio da mãe que se enforcou logo após sair do apartamento do filho. Ela dedicou-se inteiramente a ele por três dias, tentando equalizar Gan de uma alucinação. O funeral da mãe provoca nele uma ruptura, e a partir deste traço em sua vida, ele pinta seu rosto para nunca mais ver seu pai. Deixa sua roupa e veste-se com o kimono da mãe, do qual só irá se despir 30 anos mais tarde. Transmutado, desloca-se em buscas internas, num processo de transformação de um estado superficial para um novo estado, infinito, iluminado.

Concepção, Texto e Direção: Eveline Costa

Colaboração Direção: Jadranka Andjelic

Gan: Mateus Tiburi

Mãe: Emilie Sugai

Músico: Luciano Correa